e-goi

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

DILMA E SUA DIMENSÃO ELEITORAL

DILMA E SUA DIMENSÃO ELEITORAL


Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira


O resultado do 1º turno das eleições presidenciais permite-nos visualizar qual é a real dimensão da candidata Dilma.

A “abençoada” candidata recebeu 46% dos votos. Mas, não fosse o total e possesso apoio do “divino descalabro” qual seria a sua votação?


Analisando-se o currículo da candidata e o seu inexistente passado eleitoral, ficamos estupefatos ao verificar que, com tão pobres predicados eleitoreiros, pudesse ser aventada a hipótese de sua eleição.


Só mesmo um deslumbrado e inconseqüente poderia patrocinar tão estúpida e absurda hipótese.


Mas o “homem” é uma caixinha de surpresas. O Imperador Romano Calígula não fez de seu cavalo preferido, Incitatus, senador de Roma? Por que não fazer da eguinha pocotó presidenta do Brasil? O País merece, concluiu a mente distorcida.


É provável, que ela não obtivesse votação suficiente para qualquer cargo, contudo, por rompantes divinos, foi lançada ao povo como a grande opção.


A nobre guerrilheira viveu à custa do empreguismo do Estado, sem concurso, sem méritos, graças a uma carreira de indicações, que por apadrinhamentos foi alçada aos píncaros da mordomia administrativa.


Assim, após ciscar na administração pública de Porto Alegre, fracassar como empresária (seu 1,99, não deu certo), e surgir como um meteoro em Brasília, como é usual no meio petista, sem um lastro de feitos e gestões que abrilhantassem seu minguado currículo (tão escasso que foi reforçado, artificialmente).


Aqui, foi bafejada pela sorte, ou melhor, pelo azar de seu cumpanheiro d’armas, o nefasto e descarado Dirceu, que por incúria, escancarou - lhe as portas do Palácio. Daí, a genitora do PAC, foi um pulo.


Antes, e durante a campanha, assistimos à candidata debatendo-se nas entrevistas, nos debates e nos comícios. Comprovamos sua opacidade, sua ignorância, seu despreparo, sua falta de substância, mas subindo nas enganosas pesquisas como um foguete, apenas agarrada no rabo do seu inefável guru.


Em plena campanha, desmoronou-se o castelo de nepotismo e corrupção engendrados pela sua cumpanheira de anos de trabalho, amaternal Erenice, um monumento à malandragem e à esbórnia, obras que ela, candidamente, alegou desconhecer. Pode. É ridículo, mas verdadeiro.


Considerando-se que lhes foram agregados uns 5 ou 6% oriundos de facilidades, desde a parte da máquina pública aos seus serviços, o usufruto dos meios de transporte, das acomodações, da mobilização, dos apoios sem conta, dos golpes sujos no candidato da oposição, da máquina publicitária e centenas de vantagens, colaborações que fortaleceram, sobremodo, a sua campanha e sua exposição pública.


Podemos concluir, ainda, que graças ao seu tutor amealhou mais de 40%.


Feitas as contas, restariam para a Dilma, em condições normais de pressão e temperatura, provavelmente, assim como o candidato do PSOL, não mais do que 1%.


Sim, para a medíocre não havia outra escapatória a não ser aferrar-se à vistosa carona, ou padecer incógnita na sua pequenez.


Oxalá o segundo turno seja o réquiem para a indigesta dama.


Brasília, DF, 05 de outubro de 2010


Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira

Nenhum comentário: