e-goi

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Campanha Nacional - Boicote ao carro 0km

Campanha Nacional - Boicote ao carro 0km
Agora é a Hora! Acorda Brasil!

Face ao “nefasto” aumento de IPI para carros importados (de qualidade muito superior, diga-se), é a hora de darmos um basta na farra das montadoras no Brasil.

Somos o único (SIM, O ÚNICO), país do mundo, que fabrica carros 1.0.

Somos o único país do mundo, que fabrica carros com rodas Aro 14, sem direção hidráulica.

Somos o Único País Tropical do mundo, que fabrica carros sem Ar Condicionado.

Somos o único país do mundo, que ainda tem carros saindo de fábrica sem Airbag e Freios ABS!

Somos o único país do mundo que tem investimento 0 (eu disse 0) para carros movidos a energia elétrica!

Somos o único país do mundo que ainda tem como padrão o cambio manual (afinal, conforto de cambio automático é coisa de rico... meu Deus, quanta ignorância).

Somos o único país do mundo, em que um Celta custa o mesmo que um Honda City nos EUA ou México!

Somos o único país do mundo, em que um Gol G5 (com volante torto) custa a mesma coisa que um Civic nos EUA ou na Europa!

Somos o único país do mundo cujos compradores de carros novos se contentam com verdadeiras 'carroças' , sem opcionais básicos!

Por isso, você, brasileiro idiota (assim como eu), que está acostumado a pagar preços exorbitantes, por qualidade 0, faça um exercício mental e espiritual e diga:

NÃO VOU COMPRAR CARRO NACIONAL 0KM, ATÉ TER PADRÃO DE QUALIDADE INTERNACIONAL, E PREÇO JUSTO!

As montadoras culpam demasiadamente o governo pelos altos impostos (que de fato são altos), porém, elas mesmas sustentam um cartel monstruoso, que visa ter o maior lucro do planeta! Sim, o maior lucro da Volkswagen no mundo está aqui. Ford, Fiat e GM idem! E o pior, oferecendo carros de baixíssima qualidade!

Portanto, agora que você, consumidor, já sabe da realidade, faça um pacto com seu colega de trabalho, deixe de impressionar seu vizinho, e de ser aparecido com carro 1.0, e passe 1 ano sem trocar de carro!

Precisamos de apenas 1 ano (sim 1 ano, passa rápido), para mudar o jogo. Estas medidas sim, fazem um país mudar! Ou você acha que os americanos, japoneses e alemães andam de carro 1.0 sem direção elétrica/hidráulica e ar condicionado?

A GM que tente vender um Celta nos EUA.... seria o fim da marca.

É Hora do Basta! Encaminhe este e-mail para todos que você conhece.

Caso contrário, uma maldição cairá sobre você, e estará condenado a andar na Imigrantes, em janeiro, num sol de 35 graus, num Ford Ka sem Ar condicionado!

Já pensou o que estes caras farão para nos ter de volta, comprando carros???

Atenciosamente.

Campanha Nacional - Boicote ao 0km - Agora é a hora!

Acorda Brasil !!!

Esse é o nosso lema,
Não compre carro e não deixe nenhum amigo (a) seu comprar.

Veja valores de carros vendidos no EUA e Brasil:

Montadora Hyundai - http://www.hyundaiusa.com/vehicle-lineup/

PREÇOS EM DOLAR +/- R$ 1,75 em reais

O Tucson Americano que aqui no Brasil é o ix35 custa nos EUA U$ 19.045,00 equivalente a R$ 33.328,00, aqui no brasil este carro esta por R$100.000,00

Wolks - http://www.vw.com/en/models.html

Ford Americana - http://www.ford.com/

Toyota - http://www.toyota.com/camry/

R$ 27.800,00 nos EUA, no Brasil sai Por R$ 86.000,00... é uma Palhaçada

KIA - http://www.kia.com/#/allModels/

AUDI - http://progress.audiusa.com/

Um Absurdo... o AUDI A6 que custa U$ 41.700,00 o equivalente a R$ 70.000,00 nos EUA, aqui no Brasil o Preço Mínimo é de R$272.700,00, ou seja R$200.000,00a mais.

GM Americana - http://www.gm.com/vehicles/browseByBrand.html

Calculando o dólar a R$1,75 hoje o Camaro Sai por menos de R$35.000,00 nos EUA, no Brasil esse carro não sai por menos de R$ 180.000,00é um ABSURDO!!!

ATENÇÃO: NÃO COMPRE CARRO 0 NO RESTANTE DESTE ANO E NEM EM 2012, E NÃO DEIXE NENHUM AMIGO(A) SEU COMPRAR!

Então Pessoal, o Circo esta Montado aqui no Brasil, só falta Palhaço, quem quiser pode entrar.

Vamos ver ate quando esta exploração vai permanecer.

Vamos Parar de Sustentar esta cambada de exploradores, e mostra que quem manda é o consumidor!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

CHOREM BRASILEIROS!

CHOREM BRASILEIROS! Doc.281 2011


REPASSEM AOS SEUS FILHOS, FAMILIARES, AMIGOS, PARENTES E CONHECIDOS PARA QUE A HISTÓRIA DO BRASIL NÃO SEJA ESCRITA POR BANDIDOS!

Dois fatos aconteceram no mês de dezembro de 2011.

Um que deveria ser orgulho de todos os brasileiros, e outro que mostra a torpeza humana quando guiada pela cegueira da paixão política ideológica.

MORREU UM HEROI NACIONAL

Faleceu no último dia 3 de dezembro em Niteroi, Rio de Janeiro, de causas naturais aos 93 anos de idade, o veterano da FEB Coronel Iporan Nunes de Oliveira.

O senhor já ouviu falar neste brasileiro, que como 1º tenente na FEB conquistou a cidade de MONTESE?

O seu pelotão progredindo com dificuldade em meio a intenso bombardeio da artilharia alemã, ele e seus soldados conseguiram atingir as alturas da cidade, embora fossem cortados do restante das tropas.

No dia seguinte, consolidaram as posições de dominação da localidade, destruindo os últimos focos de resistência inimiga.

A sua valentia e a sua liderança mereceram o reconhecimento de dois países.

Por sua extrema tenacidade na liderança do pelotão durante o ataque, o TENENTE IPORAN FOI CONDECORADO PELO EXÉRCITO DOS EUA COM A SILVER STAR - QUE LHE FOI ENTREGUE PESSOALMENTE PELO GENERAL CHARLES GERHALT EM CUIABÁ, NO DIA 15 DE JULHO DE 1946.

ELE TAMBÉM RECEBEU A ORDEM DO IMPÉRIO BRITÂNICO, CONCEDIDA PELO
MARECHAL-DE-CAMPO HAROLD ALEXANDER, NO RIO DE JANEIRO, EM 15 DE JUNHO DE 1948.

Recebeu inúmeras medalhas nacionais, também, mas, ao morrer, nenhuma homenagem.
Foi esquecido pelo seu país; ele e o seu Pelotão arriscaram a vida lutando pela liberdade.

ADEUS, QUERIDO HEROI BRASILEIRO! SEU NOME ENCONTRA-SE GRAVADO NO CORAÇÃO DOS VERDADEIROS BRASILEIROS!

Neste mesmo mês, um criminoso, um assassino completaria 100 anos, e foi homenageado por autoridades brasileiras como se alguma coisa tenha feito pelo Brasil.

Foi até anistiado e a família deste facínora irá receber dinheiro por ter combatido a liberdade e ter querido implantar uma ditadura.

O GRUPO GUARARAPES irá transcrever alguns trechos do artigo muito bem escrito por Reinaldo Azevedo para que os amigos não deixem de ler a desgraça que vai sendo implantando no nosso Querido Brasil.

Carlos Marighella, o chefe do grupo terrorista "Ação Libertadora Nacional" (ALN), foi homenageado pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.

Declarou, então, a conselheira Ana Maria Guedes: "A Comissão da Anistia, em nome do Estado brasileiro, faz os mais sinceros pedidos de desculpas pelas atrocidades que foram cometidas contra o herói do povo brasileiro, Carlos Marighella".
Como é que é?! Em nome do Estado? Do povo?

Marighella era o chefe da ALN, que MATOU UMA PENCA DE PESSOAS, muitas delas sem qualquer ligação com a luta política.

Também omite o fato de que ele foi o autor do "Mini Manual da Guerrilha Urbana", em que faz aberta e explicitamente a defesa do terrorismo e do assassinato de soldados. E, como é sabido, não ficou apenas na teoria.

Abaixo, a lista de pessoas assassinadas pela ALN, sozinha ou em associação com outros grupos".

"AS FAMÍLIAS DESSAS PESSOAS NÃO FORAM E NEM SERÃO INDENIZADAS.

A COMISSÃO DE ANISTIA EXISTE PARA CONCEDER BENEFÍCIOS SÓ A ESQUERDISTAS CONSIDERADOS 'VÍTIMAS DO REGIME MILITAR'.

Os mortos de esquerda são heróis.

Os que não são perdem até o direito de ter um nome. Aliás, o fato desaparece".

Como se nota, o jornalismo brasileiro, com as exceções de praxe, tenta enterrar a memória. Vai aqui mais uma contribuição à Comissão da Verdade.

PESSOAS ASSASSINADAS PELA ALN, DO "HERÓI" CARLOS MARIGHELLA:

com lista de muitos nomes e detalhamento dos brutais assassinatos.....

CHOREM BRASILEIROS!

A BANDEIRA NACIONAL DEVERIA SE ENCONTRAR A MEIO PAU EM HOMENAGEM AO TENENTE IPORAN NUNES DE OLIVEIRA.

NADA, NEM UM TOQUE DE SILÊNCIO!

INFELIZ PAÍS EM QUE ASSASSINOS, QUE MATAM BRASILEIROS SÃO "HOMENAGEADOS" E OS VERDADEIROS HEROIS ESQUECIDOS?

SENTIDO! ARMA EM FUNERAL! EM CONTINÊNCIA AO HERÓI IPORAN QUE DEFENDEU A PÁTRIAE A DEMOCRACIA.

GRUPO GUARARAPES

"QUEM ACEITA O MAL SEM PROTESTAR, COOPERA REALMENTE COM ELE".
(MARTIN LUTHER KING)

http://libertatum.blogspot.com/2011/12/chorem-brasileiros-doc281-2011.html

REPASSEM AOS SEUS FILHOS, FAMILIARES, AMIGOS, PARENTES E CONHECIDOS PARA QUE A HISTÓRIA DO BRASIL NÃO SEJA ESCRITA 

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Por que Jesus é melhor do que Papai Noel?

Papai Noel vive no polo norte.
Jesus está em todos os lugares.

Papai Noel anda num trenó.
Jesus anda nas asas do vento e andou sobre as águas.

Papai Noel nos visita uma vez por ano.
Jesus está sempre presente para nos ajudar.

Papai Noel enche suas meias com presentes.
Jesus supre todas as suas necessidades.

Papai Noel entra pela chaminé sem ser convidado.
Jesus está à porta e bate... então, entra em nosso coração quando convidado.

“Você tem que ficar na fila para ver Papai Noel.
Basta mencionar o nome Jesus, e Ele está ali pertinho.

Papai Noel deixa você sentar em seu colo.
Jesus deixa você descansar em Seus braços.

Papai Noel não sabe o seu nome, ele diz: ‘Ei, garotinho’, ‘Ei, menininha, como é o seu nome?’
Jesus já sabia nosso nome antes mesmo de nascermos.
Ele não somente conhece nosso nome, Ele sabe o nosso endereço também.
Ele conhece nossa história e nosso futuro, e sabe quantos fios de cabelo temos na cabeça.

“Papai Noel tem a sacola cheia de doces.
Jesus tem o coração cheio de amor.

Papai Noel diz: ‘Não precisa chorar.’
Jesus diz: ‘Vou cuidar de você; lance seus cuidados sobre Mim e Eu cuidarei de você.’

“Os que ajudam o Papai Noel fazem brinquedos.
Jesus faz vidas novas, remenda corações feridos, conserta lares quebrados e constrói mansões.

“Papai Noel coloca presentes sob sua árvore.
Jesus tornou-Se nosso presente e morreu numa ‘árvore’.”

Não há sombra de dúvidas; realmente não há comparação.
Apenas devemos nos lembrar do verdadeiro sentido do Natal.
E colocar Jesus no centro da festa.

Jesus é a razão do Natal.

POR QUE OS MILITARES SÃO DIFERENTES...?

POR QUE OS MILITARES SÃO DIFERENTES...
Pronunciamento da Juiza Dra Marli
Nogueira, Juíza do Trabalho em Brasilia  

Há anos venho acompanhando as notícias sobre o desmantelamento das Forças Armadas e sobre a relutância dos governos de FHC e de Lula em reajustar dignamente os salários dos militares.

O cidadão ingênuo até pensaria que os sucessivos cortes no orçamento do Ministério da Defesa e a insistência em negar os reajustes salariais à categoria poderiam, mesmo, decorrer de uma contenção de gastos, dessas que as pessoas honestas costumam fazer para manter em equilíbrio o binômio receita/despesa, sem comprometer a dignidade de sua existência.

Mas depois de tanto acompanhar o noticiário nacional, certamente já ficou fácil perceber que não é esse o motivo que leva o governo a esmagar a única instituição do país que se pauta pela ampla, total e irrestrita seriedade de seus integrantes e que, por isso mesmo, goza do respaldo popular, figurando sempre entre as duas ou três primeiras colocadas nas pesquisas sobre credibilidade.

A alegação de falta de dinheiro é de todo improcedente ante os milhões (ou bilhões?) de reais que se desviaram dos cofres públicos para os ralos da corrupção política e financeira, agora plenamente demonstrada pelas CPMIs em andamento no Congresso Nacional.

O reajuste salarial concedido à Polícia Militar do Distrito Federal, fazendo surgir discrepâncias inadmissíveis entre a PM e as Forças Armadas para os mesmos postos, quando o dinheiro provém da mesma fonte pagadora - a União - criar uma situação constrangedora para os que integram uma carreira que sempre teve entre suas funções justamente a de orientar todas as Polícias Militares do país, consideradas forças auxiliares e reserva do Exército (art. 144, § 6º da Constituição Federal).

Mas agora a charada ficou completamente desvendada. E se você, leitor, quer mesmo saber por que raios o governo vem massacrando as Forças Armadas e os militares, a ponto de o presidente da República sequer receber seus Comandantes para juntos discutirem a questão, eu lhe digo sem rodeios:é por pura inveja e por medo da comparação que, certamente, o povo já começa a fazer entre os governos militares e os que os sucederam.

Eis algumas das razões dessa inveja e desse medo:

1) Porque esses políticos (assim como os "formadores de opinião"),
que falam tão mal dos militares, sabem que estes passam a vida inteira estudando o Brasil - suas necessidades, os óbices a serem superados e as soluções para os seus problemas - e, com isso, acompanham perfeitamente o que se passa no país, podendo detectar a verdadeira origem de suas mazelas e também as suas reais potencialidades.

Já os políticos profissionais - salvo exceções cada vez mais raras - passam a vida tentando descobrir uma nova fórmula de enganar o eleitor e, quando eleitos, não têm a menor idéia de por onde começar a trabalhar pelo país porque desconhecem por completo suas características, malgrado costumem, desde a candidatura, deitar falação sobre elas como forma de impressionar o público.

Sem falar nos mais desonestos, que, além de não saberem nada sobre a terra que pretendem governar ou para ela legislar, ainda não têm o menor desejo de aprender o assunto. Sua única preocupação é ficar rico o mais rápido possível e gastar vultosas somas de dinheiro (público,é claro) em demonstrações de luxo e ostentação.

2) Porque eles sabem que durante a "ditadura" militar havia projetos para o país, todos eles de longo prazo e em proveito da sociedade como um todo,e não para que os governantes de então fossem aplaudidos em comícios(que, aliás, jamais fizeram) ou ganhassem vantagens indevidas no futuro.

3) Porque eles sabem que os militares, por força da profissão, passam,em média, dois anos em cada região do Brasil, tendo a oportunidade de conhecer profundamente os aspectos peculiares a cada uma delas, dedicando-se a elaborar projetos para o seu desenvolvimento e para a solução dos problemas existentes. Projetos esses, diga-se de passagem, que os políticos, é lógico, não têm o mínimo interesse em conhecer e implementar.

4) Porque eles sabem que dados estatísticos são uma das ciências militares e, portanto, encarados com seriedade pelas Forças Armadas e não como meio de manipulação para, em manobra tipicamente orwelliana, justificar o injustificável em termos de economia, educação, saúde, segurança, emprego, índice de pobreza, etc.

5) Porque eles sabem que os militares tratam a coisa pública com parcimônia, evitando gastos inúteis e conservando ao máximo o material de trabalho que lhes é destinado, além de não admitirem a negligência ou a malícia no trabalho, mesmo entre seus pares. E esses políticos por certo não suportariam ter os militares como espelho a refletir o seu próprio desperdício e a sua própria incompetência.

6) Porque eles sabem que os militares, ao se dirigirem ao povo, utilizam um tom direto e objetivo, falando com honestidade, sem emprego de palavras difíceis ou de conceitos abstratos para enganá-lo.

7) Porque eles sabem que os militares trabalham duro o tempo todo, embora seu trabalho seja excessivo, perigoso e muitas vezes insalubre, mesmo sabendo que não farão jus a nenhum pagamento adicional, que, de resto, jamais lhes passou pela cabeça pleitear.

8) Porque eles sabem que para os militares tanto faz morar no Rio de Janeiro ou em Picos, em São Paulo ou em Nioaque, em Fortaleza ou emTabatinga porque seu amor ao Brasil está acima de seus anseios pessoais..

9) Porque eles sabem que os militares levam uma vida austera e cultivam valores completamente apartados dos prazeres contidos nas grandes grifes,nas mansões de luxo ou nas contas bancárias no exterior, pois têm consciência de que é mais importante viver dignamente com o próprio salário do que nababescamente com o dinheiro público.

10) Porque eles sabem que os militares têm companheiros de farda em todos os cantos do país, aos quais juraram lealdade eterna, razão por que não admitem que deslize algum lhes retire o respeito mútuo e os envergonhe.

11) Porque eles sabem que, por necessidade inerente à profissão, a atuação dos militares se baseia na confiança mútua, vez que são treinados para a guerra, onde ordens emanadas ou cumpridas de forma equivocada podem significar a perda de suas vidas e as de seus companheiros, além da derrota na batalha.

12) Porque eles sabem que, sofrendo constantes transferências, os militares aprendem, desde sempre, que sua família é composta da sua própria e da de seus colegas de farda no local em que estiverem, e que é com esse convívio que também aprendem a amar o povo brasileiro e não apenas os parentes ou aqueles que possam lhes oferecer, em troca, algum tipo de vantagem.

13) Porque eles sabem que os militares jamais poderão entrar na carreira pela "janela" ou se tornar capitães, coronéis ou generais por algum tipo de apadrinhamento, repudiando fortemente outro critério de ingresso e de ascensão profissional que não seja baseado no mérito e no elevado grau de responsabilidade, enquanto que os maus políticos praticam o nepotismo, o assistencialismo, além de votarem medidas meramente populistas para manterem o povo sob o seu domínio.

14) Porque eles sabem que os militares desenvolvem, ao longo da carreira, um enorme sentimento de verdadeira solidariedade, ajudando-se uns aos outros a suportar as agruras de locais desconhecidos - e muitas vezes inóspitos -, além das saudades dos familiares de sangue, dos amigos de infância e de sua cidade natal.

15) Porque eles sabem que os militares são os únicos a pautar-se pela grandeza do patriotismo e a cultuar, com sinceridade, os símbolos nacionais notadamente a nossa bandeira e o nosso hino, jamais imaginando acrescentar-lhes cores ideológico-partidárias ou adulterar-lhes a forma o conteúdo.

16) Porque eles sabem que os militares têm orgulho dos heróis nacionais que, com a própria vida, mantiveram íntegra e respeitada a terra brasileira e que esses heróis não foram fabricados a partir de interesses ideológicos, já que, não dependendo de votos de quem quer que seja, nunca precisaram os militares agarrar-se à imagem romântica de um guerrilheiro ou de um traidor revolucionário para fazer dele um símbolo popular e uma bandeira de campanha.

17) Porque eles sabem que para os militares o dinheiro é um meio, e não um fim em si mesmo. E que se a anos sua situação financeira vem se degradando por culpa de governos inescrupulosos que fazem do verbo inútil - e não de atos meritórios - o seu instrumento de convencimento a uma população em grande parte ignorante, eles ainda assim não esmorecem e nem se rendem à corrupção.

18) Porque eles sabem que se alguma corrupção existiu nos governos militares, foi ela pontual e episódica, mas jamais uma estratégia política para a manutenção do poder ou o reflexo de um desvio de caráter a contaminá-lo por inteiro.

19) Porque eles sabem que os militares passam a vida estudando e praticando, no seu dia a dia, conhecimentos ligados não apenas às tividades bélicas, mas também ao planejamento, à administração, à economia o que os coloca em um nível de capacidade e competência muito superior ao dos políticos gananciosos e despreparados que há pelo menos 20 anos nos têm governado.

20) Porque eles sabem que os militares são disciplinados e respeitam a hierarquia, ainda que divirjam de seus chefes, pois entendem que eles são responsáveis e dignos de sua confiança e que não se movem por motivos torpes ou por razões mesquinhas.

21) Porque eles sabem que os militares não se deixaram abater pelo massacre constante de acusações contra as Forças Armadas, que fizeram com que uma parcela da sociedade (principalmente a parcela menos esclarecida) acreditasse que eles eram pessoas más, truculentas, que não prezam a democracia, e que por dá cá aquela palha estão sempre dispostos a perseguir e a torturar os cidadãos de bem, quando na verdade apenas cumpriram o seu dever, atendendo ao apelo popular para impedir a transformação do Brasil em uma ditadura comunista como Cuba ou a antiga União Soviética, perigo esse que já volta a rondar o país.

22) Porque eles sabem que os militares cassaram muitos dos que hoje estão envolvidos não apenas em maracutaias escabrosas como também em um golpe de Estado espertamente camuflado de "democracia" (o que vem enfim revelar e legitimar, definitivamente, o motivo de suas cassações), não interessando ao governo que a sociedade perceba a verdadeira índole desses guerrilheiros-políticos aproveitadores, que não têm o menor respeito pelo povo brasileiro. Eles sabem que a comparação entre estes últimos e os governantes militares iria revelar ao povo a enorme diferença entre quem trabalha pelo país e quem trabalha para si próprio.

23) Porque eles sabem que os militares não se dobraram à mesquinha ação da distorção de fatos que há mais de vinte anos os maus brasileiros impuseram à sociedade, com a clara intenção de inculcar-lhe a idéia de que os guerrilheiros de ontem (hoje corruptos e ladrões do dinheiro público) lutavam pela "democracia", quando agora já está mais do que evidente que o desejo por eles perseguido há anos sempre foi - e continua sendo - o de implantar no país um regime totalitário, uma ditadura mil vezes pior do que aquelas que eles afirmam ter combatido.

24) Porque eles sabem que os militares em nada mudaram sua rotina profissional, apesar do sistemático desprezo com que a esquerda sempre enxergou a inegável competência dos governos da "ditadura", graças aos quais o país se desenvolveu a taxas nunca mais praticadas, promovendo a melhoria da infra-estrutura, a segurança, o pleno emprego, fazendo, enfim,com que o país se destacasse como uma das mais potentes economias do mundo, mas que ultimamente vem decaindo a olhos vistos.

25) Porque eles sabem que os militares se mantêm honrados ao longo de toda a sua trajetória profissional, enquanto agora nos deparamos com a descoberta da verdadeira face de muitos dos que se queixavam de terem sido cassados e torturados, mas que aí estão, mostrando o seu caráter abjeto e seus pendores nada democráticos.

26) Porque eles sabem que os militares representam o que há de melhor em termos de conduta profissional, sendo de se destacar a discrição mantida mesmo frente aos atuais escândalos, o que comprova que, longe de terem tendências para golpes, só interferem - como em 1964 - quando o povo assim o exige.

27) Porque eles sabem que os militares, com seus conhecimentos e dedicação ao Brasil, assim como Forças Armadas bem equipadas e treinadas, são um estorvo para quem deseja implantar um regime totalitarista entre nós, para tanto se valendo de laços ilegítimos com ditaduras comunistas como as de Cuba e de outros países, cujos povos vêem sua identidade nacional se perder de forma praticamente irrevogável, seu poder aquisitivo reduzir-se aos mais baixos patamares e sua liberdade ser impiedosamente comprometida.

28) Porque eles sabem que os militares conhecem perfeitamente as causas de nossos problemas e não as colocam no FMI, nos EUA ou em qualquer outro lugar fora daqui, mas na incompetência, no proselitismo e na desonestidade de nossos governantes e políticos profissionais.

29) Porque sabendo que ninguém pode enganar todo mundo o tempo todo,o governo temia que esses escândalos, passíveis de aflorar a qualquer momento pudessem provocar o chamamento popular da única instituição capaz de colocar o país nos eixos e fazer com que ele retomasse o caminho da competência, da segurança e do desenvolvimento.

30) Porque eles sabem, enfim, que todo o mal que se atribui aos militares e às Forças Armadas - por maiores que sejam seus defeitos e limitações - não tem respaldo na Verdade histórica que um dia há de aflorar.

Folheados a Ouro





domingo, 11 de dezembro de 2011

Militares estão se politizando mais - Algo vai acontecer

Robson Augusto*

A questão salarial dos militares e orçamentária das forças armadas tem resultado em efeitos interessantes na sociedade militar brasileira. Observamos o clube militar voltando a opinar politicamente de forma incisiva, e observamos oficiais e graduados exporem suas opiniões na internet e espaços para leitores em jornais e outros veículos públicos de informação.

A própria questão salarial tem ao longo dos últimos anos empurrado os militares graduados para as faculdades particulares, gerando a tão falada intelectualização das praças, que gera um crescimento intelectual em toda a tropa, criando uma percepção de mundo diferente da antiga opinião do superior, que era aceita com a verdade única e incontestável.

O que percebemos hoje na internet, embora seja minimizado e taxado de pouco importante por alguns, para nós significa muito, milhares de militares expondo suas opiniões, e o que é interessante, muitos se identificando, porque são conscientes de seu direito de pensar. Desde que se permite a um cidadão o direito de votar e ser votado, este tem o dever de se politizar. Se politizar não significa ser ativista, fazer greves ou se filiar a um partido, é muito mais do que isso, é estar atento quanto aos procedimentos na administração da polis, ou da cidade, do estado nos dias de hoje; e fazer pressão de alguma maneira para que a administração seja exercida de forma salutar. Seria um paradoxo esperar que uma categoria composta de milhares de homens e mulheres atuantes na sociedade, crescendo cada vez mais intelectualmente, se calassem - se omitissem - nesse momento tão importante da história brasileira.

As polícias militares e bombeiros se adiantaram aos militares federais na questão da organização política, e percebemos que muita informação foi trocada pela internet. Existe hoje a associação dos blogueiros militares, que arregimenta centenas de blogs de polícias e bombeiros militares. Todos os movimentos e andamentos de políticas para as categorias chegam em primeira mão pela internet.
Mas os militares federais parecem caminhar na mesma direção.

O site da antiga APEB foi durante muito tempo praticamente o lobo solitário no quesito informações úteis para militares que desejassem alguma informação para obtenção de direitos, ou pleiteassem alguma coisa considerada “contra o sistema”, lembramos que lá existia um espaço para postagem de artigos, que na época foram muitíssimo úteis. Hoje em dia temos ótimos “locais” como:

- O portal http://militar.com.br.
- A WebRevista http://sociedademilitar.com ,
- O Blog http://montedo.blogspot.com/

E esses veículos, muito mais do que lucrarem com Google adsense, funcionam como aglutinadores de opiniões, e tem gerado a tão falada “massa crítica” para que se chegue a um consenso - uma equalização da opinião da maioria - que é algo importantíssimo para a atuação política de qualquer categoria, que certamente vai gerar mudanças significativas na postura do governo em relação a Sociedade Militar.
Quem viver verá o desfecho desses acontecimentos.
*1ºSGT MB/ Pesquisador/Sociólogo pela UFPA/UNIFAP
Sociedade Militar/montedo.com

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O adolescente e a demagogia nacional


Vou começar fazendo uma colocação que, em princípio, pode parecer religiosa, mas que não tem nada a ver com religião e nem vejo motivo nenhum para meter religião no meio desta minha abordagem.
Digo isto porque as pessoas, em nível mundial, resolveram vincular com religião qualquer assunto que alguém possa falar, que cite o nome de Jesus, como se ele fosse vinculado com religião, necessariamente inserido no contexto religioso, quando na verdade ele não tem nada a ver com religião, nunca pregou religião nenhuma, o que pregou foi amor entre as criaturas, independente de rótulos religiosos. As religiões que se apoderaram, indevidamente, do seu nome, para realizarem as coisas dos seus interesses, inclusive os seus comércios e até alienações das pessoas, utilizando-se da credibilidade que ele tem, junto à humanidade. O pior é que cada igreja se acha proprietária exclusiva dele.
Vamos lá.
Durante muito tempo eu não conseguia entender porque ele, Jesus, sempre ficava danado, p. da vida, irritado e até perdia a paciência quando estava diante das hipocrisias, e chegava a questionar a mim mesmo:
- "Poxa, essa cara foi provocado por tanta gente, debocharam com a cara dele várias vezes, foi tentado diversas vezes, pegou muita porrada e até sofreu tortura da mais alta violência, foi conduzido a um calvário com uma pesada cruz nas costas, levando chicotadas e foi crucificado sem perder a paciência, mantendo a calma e a tranqüilidade. Por que diabos ele ficava com tanta raiva, quando se via diante dos hipócritas?"
Eu não conseguia entender porquê, juro. Eu achava que hipocrisia era apenas um defeitozinho normal das pessoas, como vários outros, tipo a inveja, a chatice, a inconveniência, a bossalidade, a babaquice, o orgulho e a presunção que são defeitos, sim, mas não algo para ser tratado de forma tão ríspida, ainda mais pelo homem que foi a maior perfeição de amor que já pisou na Terra.
Fiquei com aquilo encucado, com muita curiosidade, naquela dúvida comigo mesmo:
- "Poxa, deve ter alguma coisa muito séria e grave por trás disto, porque logo ele, Jesus, tomar atitudes do jeito que ele tomou, se comportar do jeito que ele se comportou, não poderia ser coisa tão simples assim, do jeito que eu estaria imaginando. Deve ser algo ruim demais, sujo demais, podre demais e elevadamente nocivo ao homem."
Daí comecei a observar tudo e todos com olhares mais profundos, a mergulhar em intimidades, em fazer comparações de comportamentos e procurar sempre checar o "outro lado" das coisas e das pessoas.
Misericórdia!!! P.Q.P.!!! é impressionante, mas a gente consegue entender e saber porquê ele, o maior Mestre de toda a humanidade e maior Psicólogo da humanidade se comportava daquele jeito.
A hipocrisia, junto com a demagogia, se constituem no maior de todos os males da humanidade. Ela é como esses bandidos que nos dias de hoje assaltam e matam pessoas, montados em motos e com capacetes na cabeça, ou capuz, para que ninguém veja as suas caras. Não dá para ninguém perceber e se prevenir contra eles.
A mesma coisa é o hipócrita, ele bota uma máscara e ninguém pode se prevenir contra ele.
Quando uma criatura é orgulhosa ou antipática, ela é assim o tempo todo, as pessoas podem vê-la assim e saberem quem ela realmente é, porque não está escondendo nada. Quando a pessoa é alcóolatra, não tem como esconder, porque vive bêbada na frente de todo mundo e possibilita que alguns se previnam quando ela está embriagada, se é dono de banco todo mundo sabe que é ladrão mesmo e por aí vai.
Mas quando o bandido está usando uma máscara, um capacete ou um capuz, ninguém consegue ver a sua verdadeira cara.
O sem vergonha político, por exemplo, durante as campanhas eleitorais coloca a máscara do bonzinho, diz que vai fazer tudo pelo povo, que vai resolver os problemas do povo, que a sua vida é dedicada ao povo, aparece em fotografias e na televisão abraçado com um monte de pobres, nas periferias e nas favelas, para que todo mundo passe a pensar que ele tenha de fato uma vida dedicada aos mais necessitados, quando, por baixo da máscara, o que existe é um canalha que depois de chegar lá faz o que esse bando de vagabundos fazem, nesta cultura corrupta brasileira. E o povo, que é burro, vota nele, elege-o, reelege-o e sai às ruas balançando bandeirinhas dele e pregando suas fotos nas paredes de casa.
A hipocrisia do meio religioso é a mais grave, porque são pessoas que vivem pregando Jesus, pregando humildade, caridade e valores MORAISSSSS, fazendo com que todos pensem que elas tem, de fato, algum compromisso com Jesus, quando na realidade da vivência não tem nada a ver.

O país metido a bonzinho

Conforme toda pessoa bem informada pode ver, o Brasil é um dos países mais metidos a besta do mundo. Ele tem uma mania de querer parecer para o resto do mundo que é um país bom, elevado espiritualmente, que o seu povo é pacífico, que aqui todos vivemos na mais elevada harmonia, de tão bonzinhos que somos.
Aqui não tem pena morte. Ainda bem. Não é que eu queira também me inserir no universo da demagogia nacional, é que, se tivesse, com certeza muita gente inocente teria sido assassinada, por essa JU$TI$$A sem vergonha, venável, corrupta e descarada, posto que aqui qualquer pessoa ou instituição que tenha dinheiro pode fazê-la andar rápido e acabar com a vida de qualquer um, o que é impossível de ser feito por quem não tem dinheiro.
Uma justiça que não respeita nem os magistrados e advogados honrados e decentes, muito pelo contrário, criando todo tipo de dificuldade para o exercício da profissão deles com dignidade, não merece o respeito de ninguém.
Você conhece algum juiz, desembargador ou advogado íntegro, honesto e decente que não enfrenta dificuldades dentro dos fóruns?
Duvido que conheça.
A verdade é que a nossa politicagem quer vender uma imagem nossa, pretendendo fazer entender que somos o melhor país do mundo.
DETALHE: Só em um ano, no Brasil, morre mais gente por acidente de trânsito do que em todo o período de guerra do Iraque, mesmo sendo um país onde tem homens bombas e terrorismo atuando o tempo todo. Falei só em mortes no trânsito, não falei sobre os outros assassinatos onde, também, somos o primeiro do mundo.
Ainda querem dizer, lá fora, que somos país bonzinho.

Vamos a questão do adolescente e a hipocrisia brasileira

Conforme sabemos, também, o nosso país é mestre em dar proteção para bandidos. Agora mesmo, mais uma vez, a imprensa acaba de anunciar que o Fernandinho Beiramar continua gerenciando o seu império de dentro da cadeia, deixou claro que a cadeia não vai lhe corrigir em nada, debocha na cara das autoridades, das leis e da JU$TI$$A, continua movimentando fábulas de dinheiro, continua mandando matar quem ele quer matar... e tudo fica do mesmo jeito.
A comissão de "direitos" humanos continua mais forte do que nunca, na sua atividade de defender SOMENTE bandidos, sempre bandidos, porque nunca está presente em nenhum outro momento onde é caracterizado o desrespeito a um humano que não seja marginal.

Aconteceu em um shopping center, em São Paulo

Esta semana a imprensa noticiou mais uma pérola das autoridades brasileiras, que estabelecem um maior rigor, em relação às palmadas que possam ser dadas nas bundas de "crianças", estabelecendo que não serão toleradas NENHUM TIPO DE PALMADA, em hipótese alguma, e deixando muito claro uma ameaça direta aos pais, aos policiais e a todo aquele que infringir esta determinação orientada pelos "lúcidos" pedagogos brasileiros: Irão para a cadeia!
Eles, os pais, irão, os delinqüentes não.
Pois bem.
No dia seguinte ao anúncio mostrado pela televisão, em um shopping center de São Paulo, dois moleques, na faixa etária entre 15 e 16 anos de idade, mais ou menos, abordam uma moça que trafegava acompanhada dos seus pais: Um mete a mão na sua genitália e o outro apalpa os seus seios.
A menina deu um grito, que chamou a atenção de um segurança que veio rapidamente.
O seu pai, no instinto natural paterno, levantou o braço para dar um sopapo num dos agressores, quando os dois moleques, numa só voz, disseram:
- "Nós somos de menor e o senhor não pode fazer nada! Olhe as câmeras ali (e apontaram para as câmeras do shopping) Perdeu, perdeu. Fique na sua, caladinho, pianinho e a filhinha gostosinha é pra gente meter a mão mesmo. Caladooooooo!!!".
E os moleques começaram a cheirar os dedos, em absoluto deboche.
O homem partiu para cima pra baixar a porrada, quando foi seguro pela esposa e pelo segurança.
A sua esposa lhe disse:
- "Acalme-se. Você não é louco de bater num menino desse, senão quem vai para a cadeia é você. Temos que conviver com isto, esta é a realidade do nosso país. Acalme-se".
O segurança disse:
- "A sua esposa tem razão, não pode fazer nada mesmo".
E assim está o Brasil. Ninguém pode fazer nada mesmo.
Outro dia, na rua Santa Ifigênia, também em São Paulo, um menor passou a mão na bunda de um policial, na frente de todo mundo, e ele não pode fazer nada. Teve que rir, junto com o seu colega de farda, para dar impressão aos outros que estava levando aquilo na esportiva, quando na realidade, coitado, teve que engolir aquela realidade.
O jovem sabe que está totalmente protegido em nosso país, pelo menos em relação a isto, e não tem a menor preocupação. Pode ficar a vontade e fazer o que quiser e bem entender.
Traficantes, sabendo disto, pegam os menores para conduzirem as drogas porque sabem que, se for pegos, no dia seguinte estarão novamente nas ruas, fazendo a mesma coisa. Nada pode acontecer com o "menor", nada mesmo, conforme a legislação reforçada esta semana. Eles podem matar a vontade, sem a menor preocupação.
Onde é que vai parar isto?

A burrice brasileira

Se a legislação fosse mais profunda, mais específica, citando caso a caso, dando um trato diferente às crianças que, de fato, são AGREDIDAS dentro do lar, por pais viciados e violentos, que de fato existem, aí seria outra coisa. Mas já que vivemos num país do resumismo irresponsável, tipo: "seja breve na sua explanação""os seus textos são muito longos""faça o relato em apenas 20 linhas""que o palestrante seja breve nas suas respostas, para que possamos responder ao maior número de perguntas"... é nisto que dá.
Estabelecer lei ÚNICA de proteção ao menor, como se todos os menores, de 1 a 17 anos, tivessem o mesmo tipo de percepção, mesmo nível de conhecimento e mesmo desenvolvimento mental é de uma burrice sem tamanho.
Tratar de um marmanjo de 17 anos, como se ele fosse um menininho de 3 anos de idade que, sem noção do perigo, enfia o dedinho numa tomada elétrica, é insanidade e despreparo dos que se acham pedagogos.
Que pedagogia é essa?
Quando se concebe que um menor, criança, cuja idade não permite saber ainda somar e subtrair, deve ter um tipo de tratamento, tudo bem, mas conceber que um outro menor, que não é criança, que já está preparado para cálculos bem maiores, em idade que permite até estar concluindo o segundo grau, podendo fazer até cálculos trigonométricos, resolver problemas no campo da Física e entender os efeitos das formas químicas, ser considerado como alienado, que não sabe o que está fazendo e que não pode ser responsabilizado pelos seus atos, é também o supra sumo da burrice.
A ironia disto tudo é que, no mesmo país onde reina esse festival de hipocrisia, o mesmo menor, de 16 anos, que não é lúcido para assumir seus crimes, é considerado lúcido para votar, que representa um ato de elevada responsabilidade, que é a escolha dos seus governantes, inclusive Presidente da República e Congresso Nacional, que podem levar um país a uma guerra.
Vejam bem quanta burrice:
Se um jovem está com 17 anos, 11 meses e 29 dias vir a cometer um crime, hoje, ele não será punido porque é de menor e não tem capacidade para assumir seus atos. Mas se, amanhã, daqui há apenas um dia, quando ele faz 18, cometer o mesmo crime, aí poderá ser responsabilizado, sim.
Isto quer dizer que no espaço de apenas um dia a sua cabeça já mudou totalmente, como uma varinha de condão que fizesse "plin" e ele passasse a ser responsável de uma hora para outra.
Para ser inteligente, a lei poderia estabelecer, pelo menos, níveis crescentes de responsabilidades.
Até os 9 anos de idade, a criança não poderia ter responsabilidade nenhuma, mas a partir dos 9, haveria uma progressão até os 18 anos, mais ou menos assim:

Aos 9 anos   - 10% de consciência e responsabilidade.
Aos 10 anos - 20% de consciência e responsabilidade.
Aos 11 anos - 30% de consciência e responsabilidade.
Aos 12 anos - 40% de consciência e responsabilidade.
Aos 13 anos - 50% de consciência e responsabilidade.
Aos 14 anos - 60% de consciência e responsabilidade.
Aos 15 anos - 70% de consciência e responsabilidade.
Aos 16 anos - 80% de consciência e responsabilidade.
Aos 17 anos - 90% de consciência e responsabilidade.
Aos 18 anos - 100% de consciência e responsabilidade total.
  
Os castigos e as penas seriam aplicadas dentro de uma progressão de rigor conforme este demonstrativo.
O que não pode é ficar como está, sem punição nenhuma, porque é um absurdo.

A palmada e a barbárie

Dentro do que coloquei no início do artigo, a hipocrisia de algumas pessoas é algo que chega até a dar nojo, posto o nível de apelação promovida pelas máscaras sociais.   
Sempre que alguém aborda um tema deste, aparecem aqueles, com aqueles papos de bonzinhos de araque:
- "Você está querendo que voltemos à barbárie?"
- "Você está defendendo a idéia de que os pais voltem a espancar os seus filhos?"
- "Você tem idéia do que significa um pai bater com um pau na cabeça do seu filho? Tem idéia das seqüelas que podem deixar?"
- "Você não conhece as estatísticas dos traumas que muitas pessoas trazem, por ter passado toda a infância sofrendo surras horrendas?"
Numa hora desta, sinceramente, pra onde é que dá vontade de mandar uma pessoa que reage assim?
No mínimo temos que reagir a altura e perguntar:
- "Ô idiota, quem é que está falando em barbárie aqui? quem está falando em espancamento e em bater com pau na cabeça de criança? Só mesmo um imbecil, sem a mínima noção de cálculo, para dimensionar uma palmada na bunda com uma paulada com uma tranca de porta na cabeça de alguém."
Mas, já que numa hora desta o radical e demagogo não deixa por menos, vai começar a contra argumentar:
- "Mas tudo começa com a palmadinha, depois vai aumentando e daqui ha pouco os pais estão tirando sangue dos filhos, como muito acontece".
De fato acontece, só que nesses casos, APENAS NESSES CASOS, quem deve entrar na porrada são os pais violentos, porque ninguém pode vincular educação a violência. Os limites devem ser estabelecidos e respeitados sempre, mas cada caso deve ser tratado com o seu peso.
Achar que todo pai que dá uma palmadinha na bunda de um filho necessariamente é um bárbaro, um covarde e um agressor é de uma burrice sem tamanho.
Deus fez bunda daquele jeito, pra quê?
Sentar em privadas, tomar benzetacil e pegar umas boas palmadas, quando se fazem necessárias.
Por acaso, alguém se traumatiza e fica morrendo de ódio do médico que prescreve a benzetacil e da enfermeira que a aplica, só porque dói? Dói muito mais que uma palmada em qualquer bunda.
As pessoas precisam para com essa palhaçada... a praga da bondade de araque... em achar que toda coisa que dói necessariamente é maléfica para nós.
Tenho certeza absoluta de que a maioria dos meus milhares de leitores, 80% constituído por pessoas acima dos 35 anos de idade, já pegaram palmadas dos seus pais, nas bundas, já foram colocados de castigo e não são revoltados com eles, por causa disto. Eu mesmo, que não peguei apenas palmadas, mas apanhei até de pinico, conforme já disse em palestras, nunca fui revoltado, nunca fiquei bêbado porque nunca foi adepto de bebidas alcoólicas, nunca cheirei porcaria nenhuma, nunca mandei meus pais tomar em lugar nenhum, não fiquei com mente atrofiada, pois pude aprender matemática, física e um monte de coisas... Uai, por que qualquer coisinha hoje traumatiza?
O que é preciso é que este país pare com muitas frescuras e dê um fim em certas palhaçadas, que subestimam as inteligências dos cidadãos de bem.
A Psicologia é uma das mais belas ciências que existe, eu, particularmente sou apaixonado por ela e adoro estudá-la, todavia, recomendo a muitos pais para terem muito cuidado na hora de escolher um Psicólogo, para orientar sobre o comportamento em relação ao seu filho. Muitos são despreparados, agem como políticos, fazendo jogo de cena para serem "agradáveis" e bem "bonzinhos" aos pais e aos filhos, a fim de segurar, COMERCIALMENTE, o paciente, ou melhor, o cliente.
O grande e competente Psicólogo, ao contrário, não entra nesse jogo e quando tem que dizer para os pais: "vocês estão fazendo merda, em relação ao filho" ele diz mesmo, sem a menor preocupação se vão se sentir ofendidos ou não. Quando tem que dizer para o adolescente: "Você tem que mudar, você está fazendo muita merda, você está sendo burro, agredindo a você mesmo, e precisamos trabalhar isto, para você não se dar mal", ele diz mesmo, porque se garante profissionalmente e tem certeza de que, se aquele paciente não continuar o trabalho, tem centenas de outros que não querem se deixar enganar.
A política brasileira não age como o Psicólogo responsável e coerente, porque, por ser política, tem que agir dentro do "politicamente correto", pela estratégia do ter que ser boazinha, agradável e simpática aos olhos da ignorância e da estupidez popular.
Até quando vai isto?
Qual o futuro de um país que age assim?
Fica aí para análise. 

Abração

 Alamar Régis Carvalho

Corra não perca Tempo

Venha Conosco Nessa Caminhada,

Rumo ao $UCE$$O!!.

Com produtos que facilitam a nossa vida, você poderá uma renda muito interessante, trabalhando seu tempo total ou parcialmente.

Aqui com Investimento Único, de apenas 28,00; você terá um custo benefício satisfatário, economia em produtos e serviços para você e toda a sua Família.
Navegue em nosso Portal e conheça melhor nossa Oportunidade de negócio!

OS PARTICIPANTES QUE ADENTRAREM NO PORTAL DE BENEFICIOS TERÃO COMO GARANTIA A SOMA DE ESFORÇOS EM CONJUNTO DE UMA EQUIPE DE PESSOAS COMPROMETIDAS COM SUCESSO.

Equipe de Sucesso

Corra não perca Tempo

Faça sua inscrição e Venha Fazer Parte

Desta Equipe de Sucesso

Novo energético chega ao Brasil pra concorrer com o TNT e Red Bull

Novo energético chega ao Brasil pra concorrer com o TNT e Red Bull - Seja um representante - http://www.revvnrg.com/47133

domingo, 4 de dezembro de 2011

Abrindo os arquivos da ditadura

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sergio Augusto de Avellar Coutinho

Se os verdadeiros objetivos da abertura dos arquivos da ditadura fossem mesmo o consolo das famílias dos mortos e desaparecidos e o resgate da verdade para virar, de uma vez por todas, esta página negra da nossa história, como argumentam raivosas as esquerdas de todas as tendências, as revelações seriam frustrantes; pior ainda,seriam um tiro no pé.

O que vão encontrar são os crimes que cada um dos heróis terroristas, muito deles hoje em altos cargos do governo e da administração pública praticou, incluindo detalhes cruéis e nomes das suas vítimas. As esquerdas sabem disto, o ministro da justiça sabe disto, as famílias sabem disto, todos sabem disto. Tanto que criaram uma comissão para apreciar o conteúdo dos arquivos e fazer a censura para preservar o sigilo do que poderá ofender a memória dos epigrafados e a sensibilidade dos seus familiares. Manipulação porque já sabem tudo que os arquivos militares contêm.

Já têm conhecimento do acervo dos extintos Serviço Nacional de Informações (SNI), Delegacias da Ordem Pública e Social (DOPS) dos Estados e das Divisões de Segurança e Informações (DSI) dos Ministérios, já aberto e fuçado por pesquisadores engajados, atrás de papéis reveladores dos horrores da ditadura.

Até hoje, por razões óbvias, nada foi divulgado como revelação histórica ou como denúncia. Tudo porque lá encontraram contados os crimes de subversivos, terroristas e corruptos, daqueles que hoje se arrogam de revisores da história e de heróis defensores da democracia.

Portanto, as razões tão arrogantemente alegadas para abertura dos arquivos militares são mentirosas. Além do revanchismo, há uma causa revolucionária pragmática que está no contexto da neutralização das trincheiras da burguesia domesticar as Forças Armadas, inibindo-as, intimidando-as e desmoralizando-as perante a sociedade nacional. É preciso anular qualquer possibilidade de que venham a ser novamente baluarte da democracia. Que não repitam 1964, impedindo um futuro assalto ao poder por alguma das tendências revolucionárias existente e ativa no desfecho da transição para o socialismo em curso em nosso País.

O processo de domesticação das Forças Armadas não ficará certamente na abertura inócua dos arquivos e na sua transferência para os cuidados de uma autoridade mais confiável, o ministro da justiça. Novas reformas democráticas poderão ainda vir: - reformulação do sistema de inteligência militar; reforma da destinação constitucional das Forças Armadas; revisão dos regulamentos disciplinares; revisão da Lei de Anistia; democratização das escolas militares de formação de quadros e do treinamento dos recrutas.

Embora despercebido pelas aparências da prática democrática, um movimento revolucionário da esquerda está em curso no Brasil. Só as pessoas de muito boa fé não percebem isto. O momento que vivemos é ainda de correlação de forças políticas. Por isto, só os políticos e as organizações e partidos liberais democráticos poderão deter a marcha das esquerdas para o socialismo monocrático e opressor. Os brasileiros esclarecidos e responsáveis não podem ignorar o que está efetivamente acontecendo e devem iniciar a resistência política e ideológica enquanto é tempo.

Sergio Augusto de Avellar Coutinho é General na Reserva e Escritor. Originalmente Publicado no jornal Inconfidência, nº 77/2004.

Carta de um Sargento ao Comandante do Exército

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sarides Ferreira de Freitas

Militar age, executa ou produz seus deveres, sob ORDEM. Livre do jugo da subordinação, se esquiva, se omite; seja por comodismo, descaso ou medo. Há honrosas exceções.  Nenhuma idéia, nenhum movimento, é bom suficiente para sensibilizar e mobilizar adeptos. Em número que realmente possa fazer diferença! Nem pensar! Aqui nunca vingou nada que se plantou. A mente dos militares são terras inférteis.

A Esquiva, a Omissão, o Comodismo, o Descaso e o Medo, não fazem parte da rotina da Caserna. Porque então esta dubiedade no agir. Todos os militares sabem que a Esquiva, a Omissão, o Comodismo, o Descaso e o Medo praticados fora da Caserna, permitiram a degradação da Nação, das FFAA e da Família Militar.

Não temos representantes no Congresso Nacional, a Presidente nos despreza, não há lobby pelas FFAA. Ou articulamos ou breve estaremos iguais ao Povo Cubano!

Enviei uma carta ao Comandante do Exército; isto em si, não significa nada! É só uma carta. E se milhares de cópias forem enviadas? Com certeza surtirá o efeito desejado. A atual conjuntura exige Atitude singular dos militares.

Faça valer seu “juramento”... Ou então desonre–o com: A Esquiva, a Omissão, o Comodismo, o Descaso e o Medo e deixe para seus filhos o pesadelo do Totalitarismo.

As FFAA só atuam em defesa da Pátria por aclamação popular; como em 1964.

O povo está entorpecido. Façamos a vez do povo.

A Carta

Excelência!

É com extremada contrariedade, robusto constrangimento, exacerbada revolta e imensurável insatisfação que me dirijo a Vossa Excelência, dado o pressuposto, de que meu apelo cairá na vala comum das tergiversações que tem norteado as ações dos Guardiões da Nação e da Constituição Federal, peço vênia!

Nos últimos tempos todas as autoridades, mesmo aquelas sob o compromisso do Sagrado Juramento, estão violentando nossa Lei Maior, estão tratando a Constituição Federal, como uma indigna prostituta.

O Supremo Tribunal e o Congresso Nacional estão a serviço do Executivo e ambos denegam o dever maior, qual seja o de “Guardiões da Constituição Federal”. Vão além: são useiros e vezeiros em estuprá-la. O Procurador Geral da República e o Ministério Público, omissos.

General!

Há muito, os Três Poderes não são independentes! Só não vê o cego, o mal intencionado ou aqueles que se locupletam neste mar de lama...

Creio piamente que Vossa Excelência não está enquadrada na cegueira, na má intenção ou no locupletar. Destarte, ouso indagar: o que vos impede de agir em defesa da nossa Pátria, como preceitua os vossos deveres, incluso o “Sagrado Juramento.” Se eu, simplório, sei que as vossas atribuições não se restringem a defender a Nação somente de inimigos externos, sendo os internos mais execráveis, por serem apátridas traidores e com maior rigor devem ser expurgados. Com infinita propriedade Vossa Excelência detém a extensão da fidelidade que Vosso Cargo imputa.

Se factível, rogo justifique a prolongada tergiversação.

Ainda há tempo de remissão.

A Lei prevê revisão anual dos nossos soldos em janeiro.

LEI No 10.331, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2001. Regulamenta o inciso X do art. 37 da Constituição.

Art. 1º As remunerações e os subsídios dos servidores públicos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União, das autarquias e fundações públicas federais, serão revistos, na forma do inciso X do art. 37 da Constituição, no mês de janeiro, sem distinção de índices, extensivos aos proventos da inatividade e às pensões.

Ferindo o preceito constitucional, o governo tem distribuído esmolas, com índices fajutos, em datas aleatórias, sem nunca nos contemplar com a revisão constitucional.

Por dez janeiros, com a vossa cumplicidade, esta regra constitucional não foi cumprida. Gerando uma defasagem de 135%. Creio ser redundante enunciar: “o presidente da república não pode deixar de cumprir a constituição,” sem arcar com as consequências; com STF e Congresso Nacional a soldo do Executivo, recai sobre vossos ombros restabelecer a normalidade democrática. Não sabemos em nome do que, não o faz.

Senhor!

A Tropa não espera que um governo comunista a remunere bem. A Tropa quer que o seu Comandante cumpra o papel precípuo de Comando: ser responsável pelo destino dos subordinados. Ser responsável pelo sustento da Tropa é responsabilidade intransferível. A Tropa não é formada por bandoleiros, mercenários, a Tropa serve ao País. Existem Leis que a amparam. Estão à espera de quem as façam valer. Este é o meu apelo; o apelo da Tropa.

“A Defesa da Pátria não pode se subordinar à vontade política - de indivíduos, autoridades ou partidos – e nem aos interesses econômicos – nacionais ou transnacionais. Na defesa da Pátria e dos Poderes Constitucionais, a “iniciativa” (prevista no Artigo 142 da CF), deve ser dos comandantes das Forças Armadas, em cumprimento do dever de ofício. Agir de forma contrária significa incorrer em crime de responsabilidade ou até de prevaricação, dependendo do caso.”

“Nada mais perigoso do que se fazer Constituição sem o propósito de cumpri-la. Ou de só se cumprir nos princípios de que se precisa, ou se entende devam ser cumpridos – o que é pior (...).. No momento, sob a Constituição que, bem ou mal, está feita, o que nos incumbe, a nós, dirigentes, juízes e intérpretes, é cumpri-la. Só assim saberemos a que serviu e a que não serviu, nem serve. Se a nada serviu em alguns pontos, que se emende, se reveja. Se em algum ponto a nada serve – que se corte nesse pedaço inútil. Se a algum bem público desserve, que pronto se elimine. Mas, sem na cumprir, nada saberemos. Nada sabendo, nada poderemos fazer que mereça crédito. Não a cumprir é estrangulá-la ao nascer'”. Pontes de Miranda, em magistério revestido de permanente atualidade.

General!

Não há dignidade em uma Nação , quando os direitos Constitucionais são violados, sob o olhar complacente de quem, por dever de ofício, deve coibir tal prática.

Não há segurança nacional, quando propriedades são destruídas por vândalos, financiados pelo governo federal com verbas públicas.

Não há segurança nacional, quando por opção ideológica, o Comandante em Chefe das Forças Armadas, nega recursos financeiros para manter os poderes dissuasórios, compatíveis à grandeza territorial e as incalculáveis riquezas

Descumprir uma vírgula da Constituição Federal é crime! Neste desgoverno, todos estão descumprindo-a.

“Por isso, na hora de decidir se age ou não na defesa da pátria e da soberania, o comandante militar não precisa ficar com a dúvida. Quando tiver a obrigação de cumprir o que define a Constituição, não corre risco de ser acusado de “golpista” – como é o temor geral pós-64, que apavora as legiões.”

“O servidor público militar que tiver medo de cumprir a Lei Maior, deve mudar de profissão ou passar para o lado do crime organizado, cuja lei é a barbárie. Não serve para “servir” às Forças Armadas.”

Vossa Excelência sabe que por vossa omissão, os melhores quadros das FFAA estão renunciando à sua vocação primeira, para não passarem pelo constrangimento de na ativa, virar CAMELÔS!

Contando com a vossa aquiescência, nós , os deserdados dos reajustes salariais, que os políticos concedem a si mesmos , esperamos ansiosos , que nos próximos janeiros, Vossa Excelência nos agracie com a revisão anual insculpida na Lei Maior. Por ver a Constituição ser tratada como uma hetera, lesado pela queda do poder aquisitivo dos meus vencimentos, ignizado, extravasei! Dê um basta nesta inconstitucionalidade. “Ultima ratio”.

“Sol lucet omnibus”.

Reivindicar um direito não é crime. Não somos litigantes desonestos, queremos apenas o que a inflação tomou. Só não temos quem advogue por nós. Estamos ÓRFÃOS... Sem ARRIMO...

Se não houver pressão da base, a cúpula permanecerá estática, somente uma ação provoca reação, ou lutamos por nossos diretos ou pereceremos (na mendicância).

Tergiversação, conduta permanente dos descompromissados com a honra!

Todo brasileiro que tenha recursos para isso está autorizado e solicitado desde já a reproduzir este aviso e fazê-lo publicar no órgão de mídia de sua preferência, assim como a divulgá-lo por quaisquer outros meios ao seu alcance. Preservado o Teor e a Fonte.

Sarides Ferreira de Freitas é 2º Sargento Reformado do EB.

Abram o jogo, camaradas!

Abram o jogo, camaradas!

A líder do grupo, terrorista que tinha os codinomes Estela, Luiza, Patrícia e Wanda, era chamada de "Joana D'Arc da subversão". Foi a mesma terrorista que, juntamente com sua colega de quarto, conseguiu penetrar em um quartel e roubar armas e munição, levando tudo para a pensão em que moravam. Hoje seria muito bem chamada de Joana D'Arc da corrupção.

A esquerda brasileira é mais cínica que esquerda. Cometeu crimes absurdos, matou inocentes, esquartejou, dilacerou corpos e parece que não se lembra de nada. Acusa os militares de terem cometido crimes de tortura, mas não fala nas torturas praticadas pelos terroristas. Chama os militares de criminosos, mas não fala nos criminosos da esquerda. É muito fácil negar os crimes cometidos ou querer lançar lama no adversário. É um cinismo digno das esquerdas querer atribuir a si próprios a láurea de heróis. Porém, podemos refrescar a memória desses bandidos e lembrar parte desses crimes hediondos, que os terroristas urbanos e da selva insistem em "esquecer".

Foram muitos os crimes cometidos pela esquerda "em nome da democracia". Inúmeras vítimas, militares e civis, pontilharam com sangue o caminho desses bandidos. Muitos eram integrantes das Forças Armadas ou das forças policiais; outros eram civis, funcionários de bancos ou de outras empresas, vitimados nos atos terroristas. Outros, ainda, estavam nos lugares errados, nas horas erradas, e foram vitimados pelas camarilhas da esquerda. Nada tinham a ver com aquela luta desmiolada, mas foram vítimas assim mesmo. Vamos relembrar algumas vítimas daqueles assassinos, e como suas mortes ocorreram, para comparar o que esses vagabundos dizem com o que de fato ocorreu.

Em 25 de julho de 1966, no Aeroporto dos Guararapes, no Recife, terroristas empreenderam um atentado contra o Gal. Arthur da Costa e Silva. A explosão de uma bomba matou o jornalista Edson Régis de Carvalho e o Almirante Nelson Gomes Fernandes. Além das duas vítimas fatais, ficaram feridas 17 pessoas, entre elas o então coronel do Exército Sylvio Ferreira da Silva, que, além de fraturas expostas, teve amputados quatro dedos da mão esquerda, e Sebastião Tomaz de Aquino, o Paraíba, guarda civil que teve a perna direita amputada. "Um dos executores do atentado, revelado pelas pesquisas e entrevistas de Gorender, foi Raimundo Gonçalves de Figueiredo, codinome CHICO, que viria a ser morto pela Polícia Civil, em abril de 1971, já como integrante da VAR-PALMARES".

Em 26 de junho de 1968, o soldado Mário Kozel Filho estava de sentinela no Quartel General do II Exército, em São Paulo. Às 04:30 horas da madrugada, ele estava vigilante em sua guarita. Naquele momento, um tiro foi disparado por uma sentinela contra uma camioneta que, desgovernada, tentava penetrar no Quartel. Seu motorista saltara dela em movimento, após acelerá-la e direcioná-la para o portão do QG. O soldado Rufino, também sentinela, dispara 6 tiros contra o mesmo veículo que, finalmente, bate na parede externa do quartel. Kozel sai do seu posto e corre em direção ao carro, para ver se há alguém no seu interior. Há uma carga com 50 quilos de dinamite que, segundos depois, explode e espalha destruição e morte num raio de 300 metros. Seu corpo foi dilacerado. Os soldados João Fernandes, Luiz Roberto Julião e Edson Roberto Rufino ficaram muito feridos. Foi mais um ato terrorista da organização chefiada por Carlos Lamarca, a VPR. Participaram daquele crime hediondo os terroristas Diógenes José de Carvalho Oliveira (o Diógenes do PT), Waldir Carlos Sarapu, Wilson Egídio Fava, Onofre Pinto, Edmundo Coleen Leite, José Araújo Nóbrega, Oswaldo Antônio dos Santos, Dulce de Souza Maia, Renata Ferraz Guerra Andrade e José Ronaldo Tavares de Lima e Silva.

Em Mongaguá, litoral paulista, foi traçado o plano da "Grande Ação", que ocorreu em 18 de julho de 1969, com o assalto e roubo do cofre na casa de um conhecido político da época, em Santa Teresa, bairro do Rio de Janeiro. O roubo rendeu 2,5 milhões de dólares,que os terroristas souberam aproveitar muito bem. O cofre foi aberto em Porto Alegre, a maçarico, pelo metalúrgico Delci. A disputa pelo butim dolarizado foi ferrenha! A líder do grupo, terrorista que tinha os codinomes Estela, Luiza, Patrícia e Wanda, era chamada de "Joana D'Arc da subversão". Foi a mesma terrorista que, juntamente com sua colega de quarto, conseguiu penetrar em um quartel e roubar armas e munição, levando tudo para a pensão em que moravam. Hoje seria muito bem chamada de Joana D'Arc da corrupção.

No dia 10 de maio de 1970 foi assassinado o Tenente Alberto Mendes Júnior, da Polícia Militar do Estado de São Paulo. O relato dos crimes cometidos pela esquerda refere-se a esse crime. "Naquela ocasião, Carlos Lamarca, Yoshitame Fugimore e Diógenes Sobrosa de Souza afastaram-se e formaram um tribunal revolucionário que resolveu assassinar o Tenente Mendes, pois o mesmo, pela necessidade de vigiá-lo, retardava a fuga. Os outros dois, Ariston Oliveira Lucena e Gilberto Faria Lima, ficaram vigiando o prisioneiro. Poucos minutos depois, os três terroristas retornaram, e, acercando-se por traz do oficial, Yoshitame Fugimore desfechou-lhe violentos golpes na cabeça, com a coronha de um fuzil. Caído e com a base do crânio partida, o Tenente Mendes gemia e se contorcia em dores. Diógenes Sobrosa de Souza desferiu-lhe outros golpes na cabeça, esfacelando-a. Ali mesmo, numa pequena vala e com seus coturnos ao lado da cabeça ensangüentada, o Tenente Mendes foi enterrado". A esquerda não fala nesse crime, certamente tido como ato heróico.

Em 4 de abril de 1971 foi assassinado o Major do Exército José Júlio Toja Martinez, que, com sua equipe estava vigiando uma casa ocupada por terroristas. "Por volta das 23 horas desse dia, chegou, num táxi, um casal, estacionando-o nas proximidades da casa vigiada. A mulher ostentava uma volumosa barriga que indicava estar em adiantado estado de gravidez. O fato sensibilizou Martinez, que, impelido por seu sentimento de solidariedade, agiu impulsivamente visando preservar a "senhora" de possíveis riscos. Julgando que o casal nada tinha a ver com a subversão, Martinez iniciou a travessia da rua, a fim de solicitar-lhe que se afastasse daquela área. Ato contínuo, de sua "barriga", formada por uma cesta para pão com uma abertura para saque da arma ali escondida, a mulher retirou um revólver, matando-o instantaneamente, sem qualquer chance de reação. O capitão Parreira, de sua equipe, ao sair em sua defesa, foi gravemente ferido por um tiro desferido pelo terrorista. Nesse momento, os demais agentes desencadearam cerrado tiroteio, que causou a morte do casal, identificados como sendo os terroristas do MR-8 Mário de Souza Prata e sua amante Marilena Villas-Bôas Pinto, ambos de alta periculosidade e responsáveis por uma extensa lista de atos terroristas.

O Araguaia foi palco de muitos crimes hediondos praticados por esses bandidos travestidos de guerrilheiros. Para que vocês não digam que estou mentindo, vou reproduzir trechos do discurso do Coronel Lício Maciel, testemunha, como participante, da luta contra os terroristas do Araguaia. O Coronel Lício Maciel, em sessão solene na Câmara dos Deputados, para homenagear os soldados mortos no Araguaia, descreveu muitas ações. Como aquela que resultou na prisão do guerrilheiro Pedro Albuquerque, em Fortaleza, quando tentava obter documentos. De lá foram para o Araguaia, como descreveu o próprio Coronel Lício Maciel:

Chegamos ao Rio Araguaia, pegamos uma canoa grande, com motor de popa, fomos até ao local de Pará da Lama. Pedro deve lembrar muito dele: era uma picada ao longo da floresta no sentido do Xingu. Andamos o dia inteiro. Chegamos ao anoitecer na casa do último morador, com o Pedro sendo levado por nós, livre. Não estava algemado, amarrado ou coisa assim. Ele foi acompanhando a nossa equipe. Há várias testemunhas desse episódio aqui presentes, as quais não vou citar, que fizeram parte da minha equipe. Chegamos à casa de Antônio Pereira, pernoitamos no campo, nos telheiros e, no dia seguinte, às 4h, prosseguimos em direção ao local onde Pedro Albuquerque indicou.
A operação no Araguaia, àquela altura, era de reconhecimento. Com base em informações obtidas de Pedro Albuquerque, a equipe do Cel. Lício tratou de desbravar o terreno para confirmar a presença de guerrilheiros na área. É o Coronel Lício quem descreve a evolução da operação.

Chegamos à casa de Antônio Pereira, pernoitamos no campo, nos telheiros e, no dia seguinte, às 4h, prosseguimos em direção ao local onde Pedro Albuquerque indicou. Ao chegarmos lá, avistamos 3 homens, isto é, 3 elementos, sendo uma mulher, descansando para almoço, presumo. Aproximamo-nos do local só para conversar com eles, para saber o que eles estavam fazendo lá. Eram 3 e, no nosso grupo, havia 6, então, não tinha problema. Eles fugiram. Chegamos ao local e fiquei inteiramente abismado com o estoque de comida, de material cirúrgico, até oficina de rádio tinha, 60 mochilas de lona, costuradas no local em máquina industrial grande, que tive o prazer de jogar no meio do açude. Tocamos fogo em tudo e voltei sem fazer prisioneiro. Ora, em qualquer situação, teríamos atirado naqueles homens. Estávamos a 80 metros, um tiro de fuzil os atingiria facilmente. Eles estavam sentados. Mas o nosso objetivo não era matar, não era trucidar. O nosso objetivo era saber o que eles estavam fazendo lá. De acordo com Pedro Albuquerque, eram guerrilheiros. Estavam na área indicada por Pedro Albuquerque, que viu toda a operação.


Nós continuamos na missão. Como os três elementos fugitivos avisaram para o resto do grupo do Destacamento C, mais ao Sul, em frente a São Geraldo do Araguaia, que estávamos indo para lá, ao chegar lá nós os vimos fugindo com muita carga, até violão levavam. Eles estavam se retirando do Destacamento C, do Antônio da Dina e do Pedro Albuquerque. Pedro Albuquerque nos levou até o Destacamento C, onde havia estado. Ele fugiu porque os bandidos exigiram que ele fizesse um aborto em sua mulher, que estava grávida. Eles não se conformaram com a ordem, principalmente porque outra guerrilheira grávida tinha sido mandada para São Paulo para ter o filho nas mordomias daquela cidade. Ela era casada com o filho do chefe militar da guerrilha, Maurício Grabois.

O Cel. Lício, continuando sua narrativa, acrescentou que "não sei, não posso me lembrar, se foi o Cid ou se foi o Cabo Marra que pegou o Genoino. Esse elemento era o Geraldo, posteriormente identificado como Genoino. Ele foi recolhido ao xadrez, posteriormente enviado a Brasília. Em seguida, três, quatro dias, veio o veredicto da identificação: o guerrilheiro Geraldo é o José Genoíno Neto. O grupo do Genoíno prendeu um filho do Antônio Pereira, aquele senhor humilde, que morava nos confins da picada de Pará da Lama, a 100 Km de São Geraldo. O filho dele era um garoto de 17 anos, que eu não queria levar como guia, porque, ao olhar para ele, me lembrei do meu filho, que tinha a mesma idade. Então eu disse ao João: Não quero levar o seu filho. Eu sabia das implicações ou já desconfiava. O pobre coitado do rapaz nos seguiu durante uma manhã, das 5h até o meio-dia, quando encontramos os três nos aguardando para almoçar. Pois bem. Depois que nos retiramos, os companheiros do José Genoíno pegaram o rapaz e o esquartejaram. Genoíno, aquele rapaz foi esquartejado, toda Xambioá sabe disso, todos os moradores de Xambioá sabem da vida do pobre coitado do Antonio Pereira, pai do João Pereira, e vocês nunca tiveram a coragem de pedir pelo menos uma desculpa por terem esquartejado o rapaz. Cortaram primeiro uma orelha, na frente da família, no pátio da casa do Antonio Pereira. Cortaram a segunda orelha, o rapaz urrava de dor, e a mãe desmaiou. Eles continuaram, cortaram os dedos, as mãos e no final deram a facada que matou João Pereira. Eles fizeram isso porque o rapaz nos acompanhou durante 6 horas, a fim de servir de exemplo aos outros moradores para não terem contato com o pessoal do Exército, das Forças Armadas". Aquele crime foi um ato de verdadeira tortura antes da morte da vítima. Ninguém da esquerda quer falar nisso.

Algo parecido só encontrei quando trucidaram o Tenente Alberto Mendes Júnior. O tenente se apresentou voluntariamente para substituir dois companheiros que estavam feridos. A turma do Lamarca pegou o rapaz, trucidou, castrou e o obrigou a engolir os órgãos genitais. Então, ao Tenente Alberto Mendes Júnior foi feito isso, mas o crime contra o João Pereira foi muito mais grave, muito mais horrendo. E eles sabem disso. Peçam desculpas para o Antonio Pereira, se ele estiver vivo. Tenham a coragem de reconhecer que toda Xambioá sabe disso.


Genoíno preso e identificado, a guerrilha prosseguiu. Depois de matar o João Pereira, eles mataram o Cabo Odílio Cruz Rosa depois do Rosa, eles mataram dois Sargentos depois dos dois Sargentos, eles atiraram no Tenente Álvaro, que deve contar a história. Na minha versão, o Álvaro deu voz de prisão para o bandido eles atiraram. O outro que estava do lado ou atrás atirou nas costas do Álvaro, arrancando-lhe a omoplata.


Os mortos da guerrilha não podem, com Justiça, serem apontados como vítimas. Quando optaram pela luta armada, sabiam dos riscos envolvidos na ação. Sabiam que as forças de segurança iriam combatê-los. Sabiam que poderiam morrer em ação. Sabiam que seria uma ação ilegal e altamente perigosa. Hoje as famílias dos terroristas mortos recebem indenização, como se eles tivessem sido vítimas de um crime cometido pelo Estado, mas os que foram assassinados pelos terroristas nada recebem. Por esse raciocínio, também os traficantes, assaltantes e seqüestradores poderiam pedir indenização. Nenhum de vocês é melhor que eles. Vocês também não assaltaram e mataram como eles fazem? As monstruosidades cometidas por vocês, como o assassinato do Tenente Alberto Mendes Júnior, do Soldado Mário Kozel Filho, e do mateiro João Pereira, foram muito mais graves que a morte de qualquer "guerrilheiro". Os guerrilheiros não foram assassinados, morreram em combate, o que foi absolutamente natural e já era esperado, inclusive por vocês. Quem se mete em uma guerra de guerrilha é pra morrer mesmo!

Na versão de vocês, a luta foi ato de heroísmo. Pura mentira! Assaltar uma casa e roubar um cofre com US$ 2,5 milhões, pondo o dinheiro no bolso, não é ato de heroísmo: é roubo descarado! Quem rouba armas e munição de um quartel não é heroína: é ladra mesmo! Mutilar uma vítima, orelha por orelha, dedo por dedo, mão por mão, é um crime hediondo. Ponham isso na cabeça! Assaltar bancos e outras empresas, matando os vigilantes e gerentes, não é ato digno de um homem íntegro: é ato digno de vagabundos aproveitadores, como vocês.

Querer implantar aqui uma ditadura nos moldes da então União Soviética não é ato de idealistas: é ato de traição ao Brasil. Hoje vocês posam de "heróis da resistência", como se pretendessem resistir a alguma força contrária aos interesses do Brasil, como os franceses resistiram ao nazismo e os poloneses resistiram ao ataque soviético. Outra grande mentira! Tenham vergonha na cara e digam a verdade! Vocês não queriam implantar nenhuma democracia no Brasil. Em nenhum documento das organizações de esquerda, inclusive dos partidos, havia alguma referência à palavra democracia. Vocês pretendiam implantar a ditadura do proletariado. Como têm o descaramento de falar em democracia? Por acaso a União Soviética era uma democracia? Os países do leste europeu eram democracias? Cuba é uma democracia? A China é uma democracia? Chega de cinismo! Chega de posar como heróis! Chega de simulações democratas! Digam a verdade sobre o que vocês pretendiam e ainda pretendem fazer no Brasil. Digam que depois da vitória (se ocorresse ou se ocorrer) viria ou virá o paredão, como ocorreu na União Soviética, no leste europeu, na China e em Cuba. Sejam homens ao menos uma vez na vida! Abram o jogo, camaradas!