e-goi

domingo, 18 de março de 2012

A HISTÓRIA DE "UM SUBOFICIAL DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA”

Olá Homero, veja esta história. Só lamentos, tristeza, sensação de desamparo. Estamos "bem" com essa gente no governo...

A HISTÓRIA DE "UM SUBOFICIAL DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA”

Li seu e-mail que comenta do seu salário equiparado ao salário de um auditor Fiscal. Primeiramente me deixe dizer quem sou.

Sou sub-oficial da aeronáutica, me formei em 1977 e estou a três anos na reserva. Após a formatura fui para o Parque de São Paulo onde fiquei até 1988. Em são Paulo fiz muitos cursos e voei Búfalo, SA-16, P-16, Bandeirante. Logo veio minha transferência para o CTA e fui para o ensaio em Vôo. No ensaio (AEV) hoje GEE; fiz uns 25 cursos e voei prova em C-97; AT-27; AT-29; XC-95B; VU-93; AMX (A-1B); XAT-26 e mais um monte de aeronaves experimentais.

Logicamente nem preciso dizer que sou apaixonado por aviação e assim sendo; fiz o curso de piloto privado de aviões e logo fiz o de Piloto Comercial. Logo em seguida terminei a faculdade de Economia e outra de administração.

Ilmo. Cel. Francisco viu que gosto de estudar. Logo veio um convite da EEAR para vir servir nesta gloriosa Escola, que tenho um carinho enorme. Chegando aqui, logo fui a Sub-oficial e com minhas qualificações acadêmicas e sendo piloto Privado; fui designado para ser Chefe do curso de Mecânica de aeronaves. Isso mesmo, Chefe em substituição ao Ten. Cel. Esp. Av. Angélio que foi para reserva.

Existe aqui um aeroclube que fica dentro da área da Pista da EEAR. Também assumi juntamente com a chefia do Curso BMA a Presidência do aeroclube dando aulas teóricas e práticas com instrutor de Vôo a vela. Formei sozinho uns 40 pilotos civis. Resolvi então fazer engenharia e logo ao terminar fiz mestrado em Conservação e geração de energia da UNESP. Faltando uns anos para minha reserva e acumulando esses cargos fui convidado para dar aulas de economia e administração na faculdade de Administração, ciência Econômicas e Contábeis de Guaratinguetá.

Como professor universitário eu passei a coordenador de ensino superior. Isso foi em 2000. Em 2003 veio minha transferência por indicação do Cmte da EEAR Brig. Sheer para eu ir para a MTAB no Paraguai. Não aceitei e isso deixou o Brig.Sheer e o Ten. Brig. Pinto muito aborrecidos. Sinto por isso até hoje.

Então continuei minha vida como professor e a ganhar uns trocados a mais que logo passou a ser o mesmo salário que eu recebia na FAB. Logo os sócios desta faculdade começaram a se desentender e pedi para me afastar. Veio minha reserva em 2007. Passei alguns apuros porque fiquei dois meses só com o salarinho da FAB. Uma filha terminando direito e uma pequena (do segundo casamento) com três anos gastando muito.

Prestei um concurso para o SENAC São Paulo para o Cargo de Técnico de Desenvolvimento Profissional e professor universitário (é o mesmo que Gerente). Fiquei assustado porque isso ocorreu em final de 2009 e nesta época eu já estava com 49 anos, concorrendo com 44 candidatos com boa formação e com idades em média de 32 anos. Pensava comigo não vão me dar essa vaga. Para minha surpresa eu venci, agradecendo ao grande arquiteto do universo por essa vitória. Hoje estou no SENAC São Paulo ganhando Três vezes o que ganho como Sub-oficial da FAB.

O Senhor deve estar perguntando, porque esse sub me contou quase toda sua vida? Vou responder. Para ver quanto foi dura minha caminhada. Ser Militar não é brincadeira, é para homens fortes com dignidade para honrar seu nome, o nome da sua família e desta Pátria querida. Amo meu país, ainda presto continência a minha bandeira e mantenho minha farda limpa e passada.

Sabe quando descobri que ficaríamos assim com esse salário medíocre. Quando nossos comandantes aceitaram a condição de comando e não de ministro.

Com a ascensão deste governo, está quase declarado o revanchismo contra nós.

Os Militares serão massacrados e suas famílias também.

Graças ao bom DEUS tenho outra fonte de renda que me sustenta e dá conforto a minha família.

Existem sargentos passando grandes necessidades aqui na região, afundados em empréstimos de bancos e POUPEX. 

Sinto vergonha quando olho meu pagamento da FAB com 32 anos de serviço e umas 2.500h de Vôo comparado ao que ganho no SENAC com apenas dois anos.

O que os Militares das FAs então percebendo hoje são um insulto.

Só louco acredita que esse governo vai nos dar qualquer tipo de reajuste.

Não cabe dar poder aos Militares. Enfraquecer sem fazer alarde é o melhor caminho.

Estamos tão desmoralizados que não conseguirmos mais reagir.

Aquele Militar que vive hoje só do soldo está numa situação muito difícil e tendendo a piorar.

Nós sabemos o que fazer, mas não há mais coragem para fazê-lo.

Assim estamos como um avião, sem leme, sem aileron e sem profundor. Totalmente a sabor dos ventos e caindo.

Tomara que haja ao menos um assento ejetável.

Como foi triste ter a certeza que eu teria que estudar muito para estar onde estou.

Nunca me arrependo da minha vida na caserna, porque amo minha nação e a Força Aérea Brasileira.

Mas também sei que se não tivesse percebido isso logo, hoje talvez tivesse passando grande dificuldade.

Logicamente, espero dias melhores e ver nossas Forças Armadas voltarem a olhar a frente sem medo e com tanta incerteza.

Que Deus nos proteja.

Saúde, paz e vida longa Senhor

So R/R Walter Benedito de Carvalho Bueno

2 comentários:

Anônimo disse...

Senhor Sub-Oficial, consegue imaginar sua vida sem o salário extra? Realmente muito difícil, creio eu que também passei a pouco noutro concurso público após 9 anos de FAB. Só mais uma dúvida: quem é este tal grande arquiteto do universo? Será Deus? Se for glorifique tão somente Seu nome que é Santo!

Sergio Gonsalez disse...

Sim claro, Deus o Todo Poderoso e Provedor que não desampara seus escolhidos.

Agora, viver só com o salário das FFAA hoje é impossível. Nos cumprimos as ordens e regulamentos mas eles não cumprem a Carta Magna na qual obriga por força de lei a numero 1 propor nosso reajuste anual. Infelizmente, tudo isso com a conivência de nossos Comandantes, que por razões desconhecidas, não se manifestam. Parecem que estão amordaçados.
Entretanto, todas as coias cooperam para o bem daqueles que ama a Deus e que são chamados para serem conforme a sua imagem.